The artist and his image. The concept of genius in the French Enlightenment.

There is a relationship between an aesthetic theory and the image of the artist. Every aesthetic generates an image of an artist. And every artist image is based on an aesthetic. We can observe in academic discussions about aesthetics and philosophy of a growing concern with the concept of genius. There are numerous studies focusing mainly on the issue in its first phase of development in England and in its final phase and the apex break in German Idealism. However, in its intermediate stage, represented by the French Enlightenment concept of genius has not had the same intensity in the researches. Certainly the concept of genius reached its climax with the Genielehre German aesthetic philosophy of Hamann, Herder, Lessing and Goethe. His Germanic origins can be clearly located in Kant. However, this time to understand properly the concept, it is necessary to understand it in its French development, which represents an intermediate stage between the English and the climax Germanic origins.

In the French eighteenth century, the concept of “genius” did not denote a mystical or unknown character, because it embodied in a man or artist. In fact, it designated the man himself, or the greatest virtue of a civilized man. We can understand this issue to verify the presence of two ways to say and understand the concept of genius. In French there are two expressions that, when used correctly, reveal two different conceptions of “genius” “to have the genius” (avoir du génie) and “a genius” or a man of genius (être a geniusan homme de génie).

The term “own genius” meant in the seventeenth century French have the great talent. Thus, there was no significant difference between talent and genius. Voltaire in the article “Génie” in his “Philosophical Dictionary” (Dictionnaire pilosophique) writes: “But ultimately the genius is nothing other than talent.” Of course, there are different ways in which the nature, origin, influence and value of this talent can be defined and evaluated. But “to have the genius” “genius” is seen as primarily something separable from the possessor, something that comes and goes, something like an inspiration. The concept of genius with a talent does not change the position of man in the world.

On the other hand, the form “a genius” (être a genius) inseparably unites the individual and the power, identifying humans with supernatural power. Being a genius means then an extraordinary power embodied in one man which constitutes his own being. It is inextricably connected with his inner nature and its history, and therefore this man provides an unique position among humans.

The transition from the conception of genius as merely a talent for design genius as a single individual was achieved by a specific act of thought. The main character that have shaped this act was Diderot’s thought He was aware of the problem of genius and their typology.

A historic condition that led to the formulation of Diderot’s genius as the uniqueness and creative power was the fact that the old man’s idealized types, such as cortigiano (courtier, IE, refined man, polite, courteous) or honnête homme (man grown , educated and cultured, who knows how to use their reason and common sense), had disappeared and the new and growing social stratum of the bourgeoisie needed to find a typology that would express its ethos.

In the same period a new type began to establish himself in the social hierarchy: the “literary man” (homme de lettres) and “philosopher” (philosophe). During the eighteenth century literati, les gens de lettres, the philosopher-writer, constitutes the first time in history, an independent social stratum and conscious of their values ​​and public life, not only as individuals but also as a group. The editors of the Encyclopédie called themselves as “a literary society” (une Société de gens de letters).

The man of letters, the philosopher appears as a high form of human activity, playing an important role in public life, becoming the spokesman, the youth representative, and revolutionary new ideas and artistic and literary activities.

Already Shaftesburry in his quest for ethical-aesthetic education of man, united the idea of the philosopher and the artist and no doubt his ideas have penetrated the German and French thought. The concept of poet acquires a form of authority, prestige that spanned the nineteenth century.

Another historic condition that favored the positive appreciation of the genius is the disintegration of the art theory of the seventeenth century. This was manifested by the disintegration of aesthetic choice relative to epistemology and the appreciation of feeling and sensitivity. A work of art, no longer be judged by the degree of compliance with traditional standards and rules set, but the degree of pleasure that it can transmit. This aesthetic pleasure is caused, not by rational intellectual structure and simplicity, but the free play of imagination and emotion. Woke up, then a keen interest in the artist’s creative powers and his psychological process of creation. Alongside his own philosophy is to criticize the great rationalist systems of the seventeenth century and early eighteenth centuries. An appreciation of emotion starts against his minor role in rationalistic epistemology that considers the source of error. Literary criticism also reconsiders and values withe imagination and inspiration of the states, positioning itself against the rationalistic epistemology that regarded them as mere ghosts. Its revaluation of inspiration and imagination that drives the phenomenon of genius to a reconsideration.

From its origins the concept of genius is directly linked to the concept of individuality. The aesthetic thought English had already formulated the concept of genius calling the unique to the individual as Shakespeare. This unique and exceptional individual can creates a work of art only through their own talents. The union between the appreciation of individual expression in art and the concept of genius becomes evident. This concept finds its full expression only when the artist can creates their own rules and laws, contempt for all norms, even those established by tradition, or any objectivity that transcends the artist’s choice.

So it was in the late eighteenth and early nineteenth centuries that the art and the artist, now renowned as a genius, became increasingly an essential element of life and cultivated his ideal of happiness.

The image of the artist as genius was in the romantic theories currency to become a stereotype. However, by the above, we can deduct that the concept of genius made wit possible to understand modern art as an autonomous value and aesthetics as a transforming force of consciousness.

Bibliography
DIDEROT, Denis (1765). Diderot on Art I and II. Trans. P. Goodman, New Haven: Yale University Press, 1995.
TOWNSEND, Dabney, “Shaftesbury’s Aesthetic Theory,” Journal of Aesthetics and Art Criticism, 41/2 (1982): 205-213.
VOLTAIRE. Philosophical Dictionary (1752). Edited by Theodore Besterman. London: Penguin Books, 2002.

São Paulo, 06 de Julho de 2011

Prof. Dr. Eduardo Cardoso Braga

 

O artista e sua imagem: o conceito de gênio no Iluminismo francês

Existe uma relação entre uma teoria estética e a imagem do artista de tal forma que podemos dizer que toda estética engendra uma imagem de artista e toda imagem de artista está fundamentada em alguma estética. Podemos observar nas discussões acadêmicas acerca da estética e filosofia uma crescente preocupação com o conceito de gênio. Existem numerosos estudos sobre a questão focando principalmente em sua primeira fase de desenvolvimento na Inglaterra e em sua fase final de ápice e ruptura no Idealismo Alemão. Entretanto, em sua fase intermediária, representada pelo Iluminismo francês o conceito de gênio não tem tido a mesma intensidade nas pesquisas. Certamente que o conceito de “genius” atingiu seu clímax no Genielehre germânico com a filosofia estética de Hamann, Herder, Lessing e Goethe. Suas origens germânicas podem ser claramente localizadas em Kant. Entretanto, para compreender corretamente esse momento do conceito, se faz necessário compreendê-lo em seu desenvolvimento francês, o qual representa uma fase intermediária entre as origens inglesas e o clímax germânico.

No século XVIII francês, o conceito de “genius” não designava uma virtude mística ou desconhecida que se incorporava em um homem ou artista. Na verdade, ela designava o próprio homem, ou a virtude maior de um homem civilizado. Podemos compreender esta questão ao constatar a presença de duas formas de se dizer e entender o conceito de gênio. Em francês existem duas expressões que, ao serem empregadas corretamente, revelam duas concepções diferentes de “genius”: “possuir o gênio” (avoir du génie) e “ser um gênio” ou um homem de gênio (être um génie – um homme de génie). O termo “possuir o gênio” significava no século XVIII francês possuir grande talento. Assim, não existia uma diferença significativa entre talento e gênio. Voltaire no artigo “Génie” em seu “Dicionário Filosófico” (Dictionnaire pilosophique) escreve: “Mas no fundo o gênio não é outra coisa que o talento”. Evidentemente, existem diferentes maneiras pelas quais a natureza, origem, influência e valor desse talento podem ser definidos e avaliados. Porém “possuir o gênio” (“genius”) é observado como principalmente algo separável do possuidor, alguma coisa que vem e passa, algo como uma inspiração. O conceito de gênio como talento não muda a posição do homem no mundo.

De outro lado, a forma “ser um gênio” (être um génie) une inseparavelmente o indivíduo e a virtude, identificando o ser humano com um poder sobrenatural. Ser um gênio significa então uma extraordinária força encarnada em um homem, a qual constitui o seu próprio ser. Ela está indissoluvelmente conectada com sua natureza interior e sua história, e conseqüentemente fornece a esse homem uma posição única entre os humanos.

A transição da concepção de gênio como meramente um talento para a concepção do gênio como um indivíduo singular foi alcançada por um ato específico de pensamento. Um dos principais personagens que modelaram esse ato de pensamento foi Diderot que estava consciente do problema do gênio e sua tipologia.

Uma condição histórica que possibilitou a Diderot a formulação do gênio como singularidade e poder criativo foi o fato dos antigos tipos de homem idealizados, tais como o cortigiano (cortesão, ou seja, homem refinado, educado, cortês) ou o honnête homme (homem cultivado, educado e culto, que sabe fazer uso de sua razão e bom-senso), tinham desaparecidos e o novo e crescente estrato social da burguesia necessitava encontrar uma tipologia que expressasse o seu ethos.

Nesse mesmo período um novo tipo começa a se destacar na hierarquia social: o “homem de letras” (homme de lettres) e o “filósofo” (philosophe). Durante o século XVIII o literati, les gens de lettres, o filósofo-escritor, constitue, pela primeira vez na história, um estrato social independente e consciente de seus valores e vida pública, não somente como indivíduos mas também enquanto um grupo. Os editores da Encyclopédie chamavam a si mesmos como “uma sociedade de literatos” (une société de gens de letters).

O homem de letras, o filósofo, aparece como uma alta forma de atividade humana, desempenhando um importante papel na vida pública, tornando-se o porta-voz, o representante da juventude, das idéias novas e revolucionárias e das atividades artísticas e literárias.

Já Shaftesburry, em sua demanda pela educação ética-estética do homem, unia a idéia do filósofo e do artista e, sem dúvida, suas idéias penetraram no pensamento francês e germânico. O conceito de filósofo, literato e poeta adquire uma forma de autoridade, de prestígio, que se estendeu pelo século XIX.

Uma outra condição histórica que favoreceu a positiva valorização do gênio é a desintegração da teoria da arte do século XVII. Esta desintegração se manifestou pela opção da estética em relação à epistemologia e a valorização do sentimento e da sensibilidade. Um trabalho de arte, não mais será julgado pelo grau de conformidade com padrões tradicionais e regras consagradas, mas pelo grau de prazer que ele pode transmitir. Este prazer estético é causado, não mais pela racional estrutura e intelectual simplicidade, mas pelo livre jogo da imaginação e da emoção. Despertou-se, então, um vivo interesse nos poderes criativos do artista e em seu processo psicológico de criação. Paralelamente a própria filosofia passa a criticar os grandes sistemas racionalistas do século XVII e inícios do XVIII. Uma valorização da emoção tem início contrariando o seu papel inferior na epistemologia racionalista que a considera como fonte de erro. A crítica literária também reconsidera e valoriza a imaginação e os estados de inspiração, posicionando-se contrária à epistemologia racionalista que as considerava como mero fantasmas. É revalorização da inspiração e imaginação que conduz o fenômeno do gênio para uma nova apreciação.

Desde suas origens o conceito de gênio está diretamente ligado ao conceito de individualidade. O pensamento estético inglês já havia formulado o conceito de gênio o ligando aos indivíduos absolutamente singulares como Shakespeare. Esses indivíduos singulares e excepcionais conseguem criar um trabalho de arte somente por intermédio de seus próprios talentos e regras. A união entre a apreciação da expressão individual na arte e o conceito de gênio torna-se uma evidência. Este conceito acha sua completa expressão somente quando o artista pode criar suas próprias regras e leis, desprezando todas as normas, mesmo as estabelecidas pela tradição, ou qualquer objetividade que transcenda a livre escolha do artista.

Assim, foi no final do século XVIII e inícios do XIX que a arte e o artista, agora conceituado como gênio, tornaram-se cada vez mais um indispensável elemento da vida cultivada e seu ideal de felicidade. A imagem do artista como gênio foi moeda corrente nas teorias românticas até se tornar um estereótipo. Entretanto, pelo que foi dito acima, podemos também depreender que o conceito de gênio abriu a possibilidade para a modernidade compreender a arte como um valor autônomo e a estética como força transformadora da consciência.

Bibliografia
DIDEROT, Denis. Discurso sobre a poesia dramática. Tradução, apresentação e notas L. F. Franklin de Matos. São Paulo: Editora Brasiliense, 1986.
DIDEROT, Denis. Ensaios sobre a pintura. Tradução, apresentação e notas Enid Abreu Dobránszky. Campinas: Papirus: Editora da Universidade de Campinas, 1993.
DIDEROT, Denis. Diderot: obras II. Estética, poética e contos. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.
VOLTAIRE. Dicionário Filosófico. Trad. Bruno da Ponte, João Lopes Alves e Marilena de Souza Chauí. Coleção Os Pensadores. 2ª edição. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
SHAFTESBURRY. Carta sobre a Arte ou a Ciência do Desenho. Tradução de Pedro Paulo Pimenta. In: Revista Terceira Margem n. 10 (Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da UFRJ). Rio de Janeiro, 2004.

São Paulo, 25 de Junho de 2011

Prof. Dr. Eduardo Cardoso Braga