CILDO MEIRELES, CONCEPTUAL AND POLITICAL ART: A REVERSE DUCHAMP

In the late 60s and early 70s in Brazil, a series of works on unsustainable practices and conceptual art strategies with political activism. It was not representation of revolutionary processes of images of guerrillas or works weakened or of strengthening like Hercules by the revolutionary process. On the contrary, and above all, it was a matter of questioning an art project as representation, which is the foundation of capital and its bourgeoisie. A structural isomorphism is sought between the revolutionary process of guerrilla warfare and artistic practices and languages. That is, how to make a revolutionary-guerrilla process in the aesthetic, cultural and artistic universe, respecting its autonomy and in its own terms? This is exactly the case of a series of works by Cildo Meireles called “Insertions in ideological circuits”. The job was in the system of circuits and exchange information. As series of insertions in information by a variety of alternative circuits exemplified by Coca-Cola bottles, Black-Power hair combs, money notes, etc.

The historical context in which the work circulates and gives it meaning is Brazil dominated by a military dictatorship that violated the constitutional regime of 1964 and rebounded upon the late 60s. The dictatorial regime, Immediately, Imposed a dramatic repression on the artistic expressions, subjecting them to a censorship that filtered all forms of information. The series of insertions in ideological circuits of Cildo Meireles sought to explore communication and artistic alternatives to execute a true guerrilla against the repressive system of the military dictatorship. Among the series, it is worth mentioning the information printed on Coca-Cola bottles. This conceptual work was a project that used a media, bottle of soda, to carry out a revolutionary criticism by means of anti-imperialist messages to a potentially immense public and, at the same time, escaped from the vigilant monitoring carried out by the dictatorship in all conventional channels of communication.

The insertion of the Coca-Cola type consisted in printing messages and critical opinions about Brazilian politics, about U.S. imperialism and interventionism. These messages were printed in white, which made them almost invisible (hidden) when the bottles were empty. As soon as they were filled with the syrup, the messages became clearly visible. We remember that in the time in question, late 60’s and early 70’s, soft drinks were sold only in bottles , requiring the exchange of the empty hull (bottle) in the purchase of a full. The informational circuit becomes perfect, then. In the very sign of imperialism itself, revolutionary and critical messages are conveyed. The work consists not only in the messages of Cildo Meireles, but also in an invitation for all to make and exchange these critical messages. It is an invitation to a certain action, which in terms of conceptual art became known as command-piece. What is important to this work of art is the projected idea and the process that it triggers. Everyone becomes an artist. This was the great utopia of Joseph Beuys and much of modernism, being fundamental question lines of conceptual art.

It is important to note that the work of Cildo Meireles is a reverse or reversed Duchamp. The Duchampian ready-mades were discrete everyday objects inserted into the circuit of art, functioning as unveiling of the political system of art and a complete desublimation of the same. Art is undone in everyday life, losing all its goldenness. The poetry of ready-made was appropriated by Pop Art and Minimalism by largely mitigating its critical power.

Already the Insertions of Cildo Meireles are the art and its transforming power of reality. It inserts itself into everyday life as art that is idea, trying to transform the same everyday. All the force of an intentionality (of the artist) rescues the romantic power of belief in art as a possibility of regeneration and return to a life in social harmony and with nature. Instead of inserting a common object of the institutional space of art, as Duchamp does, the work of Cildo Meireles returns the Coca-Cola bottles of its original circulation system, albeit with its slightly altered form. Art does not dissolve in life, but it dialogues with it, criticizes it and seeks to transform it, functioning as a negative of the current situation.

The insertions of Cildo Meireles return the discussion about the relations between art and life (reality), going beyond representational conceptions or teleologies that simply dilute art in life.

Inserção em circuitos ideológicos

Insertions in ideological circuits

 

Insertions in ideological circuits

Insertions in ideological circuits

 

Insertions in ideological circuits

Insertions in ideological circuits

 

 

São Paulo, fevereiro de 2016
Professor Dr. Eduardo Cardoso Braga

Cildo Meireles, arte conceitual e política: um Duchamp reverso

No final dos anos 60 e inícios dos 70, no Brasil, uma série de artistas trabalharam no sentido de unir as práticas e estratégias da arte conceitual com um ativismo político. Não se tratava de representar processos revolucionários com imagens de guerrilheiros lutando triunfantes ou operários desmilinguidos pelo fome ou fortalecidos como Hércules pelo processo revolucionário. Muito pelo contrário e antes de tudo, tratava-se de questionar a concepção de arte como representação, considerada como canônica para o capital e sua burguesia. Busca-se um isomorfismo estrutural entre o processo revolucionário da guerrilha e as práticas e linguagens artísticas. Ou seja, como realizar um processo revolucionário-guerrilheiro no universo estético, cultural e artístico, respeitando sua autonomia e em seus próprios termos? É exatamente esse o caso de uma série de trabalhos de Cildo Meireles chamados de “Inserções em circuitos ideológicos”. O objetivo do trabalho era criar um sistema de circulação e troca de informação que não dependia de nenhuma espécie de controle centralizado. As séries de inserções transmitiriam informações por uma variedade de circuitos alternativos, como garrafas de Coca-Cola, pentes para cabelos Black-Power, cédulas de dinheiro, etc.
O contexto histórico no qual a obra circula e lhe dá sentido é o Brasil dominado por uma ditadura militar que violou o regime constitucional de 1964 e recrudesceu no final dos anos 60. O regime ditatorial, imediatamente, impôs uma repressão dramática sobre as expressões artísticas, submetendo-as a uma censura que filtrava todo tipo de informação. As séries de inserções em circuitos ideológicos de Cildo Meireles procuraram explorar alternativas comunicacionais e artísticas para executar uma verdadeira guerrilha contra o sistema repressor da ditadura militar. Entre as séries, cabe destacar as informações impressas nas garrafas de Coca-Cola. Este trabalho conceitual era um projeto que se utilizava de uma mídia, garrafa de refrigerante, para executar uma crítica revolucionária por meio de mensagens anti-imperialista para um público potencialmente imenso e, ao mesmo tempo, escapava do vigilante monitoramento executado pela ditadura em todos os canais convencionais de comunicação.

A inserção do tipo Coca-Cola consistia em imprimir mensagens e opiniões críticas sobre a política brasileira, sobre o imperialismo e intervencionismo norte-americano. Essas mensagens eram impressas em cor branca, que as tornava quase invisíveis (escondidas) quando as garrafas estavam vazias. Logo que eram cheias do xarope refrigerante as mensagens tornavam-se claramente visíveis. Lembramos que no tempo em questão, final dos 60 e inícios dos 70, os refrigerantes eram vendidos somente em garrafas, sendo necessário a troca do casco (garrafa) vazio na compra de um cheio. O circuito informacional torna-se perfeito, então. No próprio signo maior do imperialismo são veiculadas mensagens revolucionárias e críticas. O trabalho consiste não somente nas mensagens de Cildo Meireles, mas num convite para todos efetuarem e trocarem essas mensagens críticas. É um convite para uma determinada ação, o que em termos de arte conceitual ficou conhecido como command-piece. O importante neste trabalho de arte é a ideia projetada e o processo que ela desencadeia. Todos tornam-se artistas. Essa era a grande utopia de Joseph Beuys e de boa parte do modernismo, sendo uma questão fundamental para certas linhas da arte conceitual.
Importante notar que o trabalho de Cildo Meireles é um Duchamp reverso ou às avessas. Os ready-mades duchampianos eram discretos objetos do cotidiano inseridos no circuito da arte, funcionando como desveladores do sistema político da arte e uma completa dessublimação da mesma. A arte se desfaz no cotidiano, perdendo toda a sua áurea. A poética do ready-made foi apropriada pela Pop-Art e pelo Minimalismo mitigando em grande parte seu poder crítico.
Já as Inserções de Cildo Meireles são a arte e seu poder transformador da realidade. Ela se insere no cotidiano como arte que é ideia, procurando transformar esse mesmo cotidiano. Toda a força de uma intencionalidade (do artista) resgata o poder romântico da crença na arte como possibilidade de regeneração e devolução de uma vida em harmonia social e com a natureza. Em vez de inserir um objeto comum no espaço institucional da arte, como faz Duchamp, o trabalho de Cildo Meireles devolve as garrafas de Coca-Cola para o seu sistema original de circulação, embora com sua forma levemente alterada. A arte não se dilui na vida, mas dialoga com esta, a critica e procura transformá-la, funcionando como um negativo da situação atual.
As inserções de Cildo Meireles devolvem a discussão sobre as relações entre arte e vida (realidade), indo além de concepções representancionais ou teleologias que simplesmente diluem a arte na vida.

Inserção em circuitos ideológicos

Inserção em circuitos ideológicos

Inserção em circuitos ideológicos

Inserção em circuitos ideológicos

Inserção em circuitos ideológicos

Inserção em circuitos ideológicos

===================================================

Prof. Dr. Eduardo Cardoso Braga
São Paulo, outubro de 2015